Bioenergia é opção para novo ciclo de desenvolvimento

O ciclo de desenvolvimento baseado em combustíveis fósseis está com os dias contados e as alternativas energéticas renováveis abrem um novo campo de pesquisa e de emprego mais bem remunerado e qualificado para as futuras gerações.

A conclusão é de especialistas participantes do terceiro episódio do programa Ciência Aberta em 2019, lançado nesta quarta-feira (15/05). O programa é uma parceria da FAPESP com o jornal Folha de S. Paulo.

Segundo os pesquisadores, a bioenergia é mais democrática do que as fontes tradicionais. “Ela não pode ser gerada de forma tão centralizada como uma refinaria de petróleo ou uma central nuclear. A bioenergia pressupõe uma distribuição maior [dos empregos e recursos]”, disse Luiz Augusto Horta Nogueira, pesquisador associado do Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Energético da Universidade Estadual de Campinas (Nipe-Unicamp) e consultor de agências das Nações Unidas.

Rubens Maciel Filho, professor da Faculdade de Engenharia Química da Unicamp e membro da coordenação do Programa FAPESP de Pesquisa em Bioenergia (BIOEN), destacou que a produção de cana-de-açúcar para fabricação de etanol levou ciência e tecnologia para o interior do Estado de São Paulo, inclusive para regiões onde nem sequer havia estrutura para produzir alimentos.

“Temos exemplos muito interessantes, do próprio BIOEN, que mostram a evolução da qualidade do emprego, o desenvolvimento das regiões onde se produz o etanol e de como ele trouxe toda uma indústria em volta dele”, disse Maciel, coordenador do Centro de Inovação em Novas Energias (Cine).

Com unidades na Unicamp, no Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen) e no Instituto de Química de São Carlos da Universidade de São Paulo (USP), o centro tem apoio da FAPESP e da Shell, no âmbito do programa Centros de Pesquisa em Engenharia (CPE).

Do ponto de vista educacional, Maciel destacou que as biorrefinarias – que além de combustíveis podem produzir insumos químicos, alimentos, fertilizantes e energia, entre outros – levarão cada vez mais doutores e outros profissionais de alta qualificação para o interior do Estado, promovendo seu desenvolvimento.

Estudos mostram ainda que a instalação de uma usina de etanol e açúcar traz ganhos para três ou quatro cidades no seu entorno, demonstrando como o impacto social da chamada bioeconomia é uma realidade no Brasil.

“Os municípios em volta se beneficiam diretamente do ponto de vista da educação dos seus cidadãos. Os funcionários de uma usina têm os seus filhos educados em nível melhor do que a média e ganham mais do que a média na agricultura”, disse Glaucia Mendes Souza, professora do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (IQ-USP) e coordenadora do BIOEN.

Melhor opção

Com a demanda por energia aumentando no mundo todo, fontes renováveis como a cana-de-açúcar, a energia solar e a eólica são apontadas pelos especialistas como algumas das melhores alternativas.

Veja também  Pesquisa com achados inéditos sobre praga dos coqueirais é publicada na Scientific Reports

“A cada segundo se queima neste planeta mil barris de petróleo. É o equivalente a uma piscina olímpica. Imagine em um ano! Então, nós estamos frente a uma nova mudança”, disse Nogueira.

Segundo o pesquisador, embora o petróleo ainda seja a principal fonte de energia no Brasil, correspondendo a 57% da matriz energética, o país é menos dependente do que a média dos países desenvolvidos, onde o índice chega a 80%.

Respondendo por 18% da nossa matriz, a cana-de-açúcar tem ainda a vantagem de ser muito produtiva, ocupando apenas 1% das terras disponíveis para agricultura no Brasil. Ainda assim, só metade desse porcentual é usado para plantar cana para produção de biocombustível. A outra parte é destinada à produção de açúcar.

“Todo biocombustível líquido que foi produzido no mundo até recentemente ocupou 13 milhões de hectares [em área plantada]”, disse Souza.

No mundo todo, há 13 bilhões de hectares de terras agriculturáveis, segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO, na sigla em inglês). A pesquisadora afirmou que, desta área, 3 bilhões de hectares são usados para plantar alimentos e outros 3 bilhões para pastagens.

“Estou falando de 13 milhões [de hectares para a produção de biocombustíveis]. É uma fração de uma fração que, no caso brasileiro, produz 20% da energia consumida. São dois séculos usando petróleo e se imagina que não tem alternativa, mas tem. Com poucas plantas se resolve essa equação”, afirmou.

O aumento da demanda em países em desenvolvimento como Brasil, Índia e China traz um desafio, mas também uma oportunidade para desenvolver novas formas de gerar energia.

“Estamos falando de algo em torno de 4 bilhões de pessoas. Certamente elas querem e precisam usar mais. Porque a energia está associada com a qualidade de vida. Quanto mais energia o país tem, maior o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), melhor a educação, melhor a condição de saúde, maior a longevidade”, disse Maciel.

Segundo o pesquisador, a biomassa, como a da cana, é uma saída inteligente e propícia para vários lugares do mundo obterem energia de forma sustentável, além de ser uma oportunidade de desenvolver pesquisa científica de alto nível.

“As tecnologias têm de ser desenvolvidas aqui, porque a biomassa é nossa”, disse.

O novo episódio de Ciência Aberta, “Bioenergia e outras opções para o Brasil”, pode ser visto em: www.fapesp.br/ciencia-aberta.

Confira também os episódios anteriores, que abordaram temas como origens do universo, a contribuição das mulheres para o avanço da ciência, depressão em jovens e adolescentes, os novos desafios das cidades, envelhecimento e oceanos ameaçados.

 

Texto: André Julião  |  Agência FAPESP

Foto: Pixabay

Fonte: Agência FAPESP

Compartilhe: