Biotina pode diminuir doenças em cascos de bovinos

Na agropecuária um problema pode pôr a perder a produção bovina: as doenças nos cascos dos animais. Em alguns casos sua ocorrência pode ultrapassar 30% do rebanho, o que é um problema grave que pode trazer muitos prejuízos para o produtor. Se a lesão não for corretamente tratada, pode significar perda de peso do animal, com significativa redução da produção.

Exame dos cascos bovinos
Exame de venografia em bovino para avaliação dos cascos (Fotos: acervo do grupo de pesquisa)

 

Um dos manejos que podem significar diminuição dessas doenças está relacionado à dieta dos animais. Pesquisadores da Escola de Veterinária e Zootecnia da Universidade Federal de Goiás (EVZ/UFG), do grupo de pesquisa sobre técnicas cirúrgicas, diagnósticas e anestésicas e seus impactos na saúde, bem estar animal e no ambiente vêm coordenando estudos sobre o uso de uma vitamina do complexo B, a biotina, para diminuir a ocorrência da doença.

Apesar de ser um problema com alto potencial genético, ou seja, alguns animais são mais predispostos às doenças, o manejo sanitário e o fornecimento de dieta adequada podem melhorar esses números. A biotina é uma vitamina que o próprio bovino produz no rúmen. Segundo o professor aposentado da UFG e coordenador dos estudos, Luiz Antônio Franco da Silva, em determinadas situações, especialmente em animais confinados ou superalimentados, a produção da vitamina e sua absorção podem ficar comprometidas.

Avaliação cascos bovinos
Medição dos cascos das bezerras utilizadas na pesquisa

 

“Como a vitamina participa da constituição do casco e dos pelos, nossos estudos sugerem que a suplementação com essa vitamina diminui a ocorrência de enfermidades de casco”. Segundo ele, também se sabe que essa vitamina pode auxiliar na produção de leite. Apesar dos benefícios auferidos pela vitamina, é preciso avaliar o custo benefício para o produtor.

O pesquisador explica que a suplementação diária fornecida durante as pesquisas é baseada em trabalhos científicos realizados no exterior e no Brasil. São 20 miligramas da vitamina diariamente. Essa dosagem tem sido suficiente para melhorar a qualidade dos cascos e diminuir a ocorrência de enfermidades podais.

Veja também  Origem do Universo em debate no programa Ciência Aberta

Ele destaca que, paralelamente a esses estudos, estão sendo realizadas pesquisas de aplicação de técnicas de nanotecnologia para avaliar a estrutura microscópica do casco de animais suplementados ou não com a biotina. Essas análises estão sendo feitas em parceria com o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), de Campinas (SP).

Os estudos têm apoio do CNPq, da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg) e de produtores rurais. Também participam a Escola de Veterinária e Zootecnia da Regional Jataí da UFG, Universidade de Brasília (UnB) e Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Ração com biotina
Animais se alimentam com biotina acrescida à ração

 

Tipos de doenças

As doenças dos cascos dos bovinos são variadas e as causas são multifatoriais. Sabe-se que o tratamento é caro e nem sempre resulta na recuperação completa. As doenças podem comprometer o casco e a estrutura interna dos dígitos (dedos). O desconforto é muito grande e compromete o bem-estar do animal.

Os prejuízos financeiros também são grandes, ultrapassando, em alguns casos, o valor intrínseco do animal. As enfermidades mais comuns são a laminite e suas complicações (de origem nutricional), dermatite digital e pododermatite séptica (ambas de origem infecciosa), furúnculo interdigital, dentre outras.

O problema também pode comprometer a reprodução dos animais: fêmeas não dão cio e perdem até 20% da produção de leite, machos têm a qualidade do sêmen comprometida e podem perder até 25% no peso corporal. Sem computar o custo com tratamento clínico e cirúrgico e com a mão de obra de um profissional.

Outras medidas também auxiliam a diminuir a ocorrência da doença, como evitar adquirir animais doentes e introduzi-los no rebanho, manejar corretamente, incluindo o fornecimento de dieta adequada, manejo sanitário e quarentena em casos de doença, casqueamento preventivo para ajustar a medida dos cascos e diminuição da umidade e sujidades nos currais.

 

Texto: Kharen Stecca

Foto: Pixabay

Fonte: Jornal UFG

Compartilhe: