Brasileiros consomem quase o dobro de sal sugerido pela OMS

Brasileiros consomem, em média, 9,34 gramas de sal por dia — quase o dobro do recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que é de 5 gramas. Esta é uma das principais conclusões de um levantamento inédito no país: a análise de sangue e de urina de cerca de 9 mil brasileiros, realizada pela Pesquisa Nacional de Saúde (PNS). A Fiocruz foi responsável pela coordenação técnica do estudo. Essa foi a primeira vez que um inquérito com representatividade nacional coletou nos domicílios amostras biológicas para realização de exames complementares, viabilizando que se estabeleçam parâmetros nacionais para valores de referência laboratoriais. Um importante avanço para o conhecimento de características e condições de saúde da população brasileira, o que pode aprimorar a vigilância e o acompanhamento das doenças crônicas não transmissíveis no país.

O estudo faz parte do mais amplo inquérito em saúde já feito no Brasil, a Pesquisa Nacional de Saúde. Realizada em 2013 e 2014, foi conduzida pelo Ministério da Saúde em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e a Fiocruz, por meio de seu Instituto de Comunicação e Informação em Saúde (Icict). Contou ainda com a colaboração de várias instituições de ensino e pesquisa. O levantamento visitou 69.954 domicílios e entrevistou 60.202 adultos. Desse conjunto, foi selecionada uma subamostra para a coleta de material biológico nos domicílios nos anos de 2014 e 2015. A análise dos exames de laboratório possibilitou traçar o perfil bioquímico de condições clínicas e pré-clínicas da população brasileira.

Os valores de referência podem ser influenciados por fatores populacionais e ecológicos, como idade, sexo, raça, nível socioeconômico, exposição a agentes químicos, físicos e biológicos. Por isso, devem ser diferentes entre as populações. “O Brasil é marcado pela miscigenação, com uma grande diversidade de raças, etnias, povos, segmentos sociais e econômicos. A análise dos exames de sangue e urina oferece, pela primeira vez, uma amostra representativa do país, que permitiu a obtenção de valores hematológicos de referência por sexo, grupos etários e raça/cor. “E o conhecimento de parâmetros nacionais de referência é fundamental para o estabelecimento de critérios de diagnóstico, tratamento e controle de doenças”, observou a pesquisadora da Fiocruz Célia Landmann Szwarcwald, coordenadora técnica da pesquisa.

Os resultados desses exames de laboratório possibilitam monitorar os indicadores globais da Organização Mundial de Saúde e da Organização das Nações Unidas, dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, agenda 2030, e do Plano de Enfrentamento das Doenças Crônicas no Brasil, compondo linha de base para o monitoramento de indicadores globais e do alcance de metas, tais como deter o crescimento do diabetes e das doenças cardiovasculares, reduzir o consumo de sal e diminuir a mortalidade prematura por doenças crônicas não transmissíveis.

Além de dados sobre o consumo de sal, a pesquisa traz resultados inéditos, comprovados cientificamente pela primeira vez no país, sobre diabetes, doença renal e anemias, por exemplo.  Em relação aos problemas renais, o resultado é surpreendente: as estimativas de número de casos foram até quatro vezes maiores se comparadas com outras pesquisas já realizadas no país. Isso porque os estudos anteriores são em geral baseados nos relatos dos próprios doentes. Dessa forma, o levantamento sugere que há um sub diagnóstico da doença renal no país.

Consumo de sal

A pesquisa possibilitou que o consumo de sal na sociedade brasileira fosse avaliado por meio da análise de urina — o que nunca havia sido feito antes em abrangência nacional. Os dados apontam que praticamente três quartos dos brasileiros têm consumo alto de sal (mais de 8 gramas por dia), sendo maior em homens e nos mais jovens.

O estudo indica consumo elevado de forma generalizada na população brasileira, em todas as faixas etárias e níveis de escolaridade. E, por isso, lança um alerta: programas de redução de consumo devem ser desenvolvidos para atingir todas essas subcategorias, e não somente grupos específicos, como portadores de hipertensão ou doenças renais.

Dados da PNS também constataram que a percepção sobre o consumo elevado de sal é baixa entre os brasileiros: apenas 14,2% dos adultos se referiram a seu consumo como alto. O excesso de sal na alimentação está associado à hipertensão (doença que está presente em 28% dos adultos brasileiros) e às doenças cardiovasculares, destaca a pesquisadora

“O consumo excessivo de sal é um dos indicadores mais preocupantes. A redução no consumo de sal é considerada, hoje, uma das intervenções de melhor custo-efetividade para reduzir as doenças crônicas não transmissíveis, sobretudo pela possibilidade de diminuição da pressão arterial média da população. A hipertensão arterial é causa direta e indireta de várias doenças crônicas, como as cardiovasculares e a renal. A redução do sal na alimentação tem potencial para diminuir uma grande fração de mortes prematuras e aumentar, consideravelmente, a expectativa de vida saudável na população brasileira”, resume Szwarcwald.

Veja também  Em MG, pesquisa recruta jovens para testar novo medicamento contra HIV

Apenas 2,39% da amostra da pesquisa apresentaram consumo inferior a 5 gramas por dia, que é a faixa recomendada pela OMS. A ingestão de sal nesta faixa foi maior em mulheres e nos indivíduos de maior idade. A utilização muito elevada (mais de 12 gramas por dia) foi mais frequente em homens (15,7%) do que em mulheres (10,8%). No grupo com escolaridade mais alta, foi encontrada proporção menor de indivíduos com consumo superior a 12 gramas por dia (11,35%).

Dados inéditos sobre diabetes e doença renal

Segundo o levantamento, o diabetes foi identificado em 6,6% dos adultos, enquanto em 76,5% não foi encontrada qualquer alteração. Mas, considerando-se critérios simultâneos — incluindo as pessoas que referiram ter diagnóstico de diabetes e/ou fazem uso de medicamentos — a prevalência do diabetes é de 8,4%, porque esta proporção inclui as pessoas que estão com a doença controlada. Há alta prevalência do diabetes na população obesa, alcançando nível de 17%.

A pesquisa é ainda o primeiro estudo nacional a apresentar avaliação de função renal da população adulta brasileira por meio de critérios laboratoriais. Para isso, fez a dosagem de creatinina sérica e estimou a taxa de filtração glomerular (TFG), segundo variáveis sócio demográficas: índices usados para detectar doenças renais. “Os exames laboratoriais se mostram de muita relevância para identificar precocemente a doença e prevenir a progressão da lesão renal e a mortalidade prematura”, destacou Szwarcwald.

Desigualdades na saúde bucal e paradoxos na alimentação

Os resultados dos exames laboratoriais da PNS foram esmiuçados no suplemento temático da Revista Brasileira de Epidemiologia, que será lançado em 26 de novembro, na Fiocruz. O suplemento contém ainda outras análises inéditas da PNS, que lançam luz ao quanto as desigualdades incidem na saúde da população.

Grandes desigualdades foram encontradas, por exemplo, na saúde bucal dos brasileiros. A perda de dentes na população com mais de 60 anos afeta mais do que o dobro as pessoas com renda per capita inferior a meio salário mínimo, em comparação às pessoas da mesma faixa etária que têm renda superior a três salários mínimos — a prevalência da doença varia de 44%, no primeiro grupo, para 20% no segundo.

A análise no perfil de alimentação dos brasileiros mostrou, por sua vez, resultados contraditórios. Quanto aos alimentos saudáveis, verificou-se melhor perfil alimentar entre brancos, pessoas com maior renda e maior grau de escolaridade, com consumo mais frequente de frutas, legumes e vegetais. Mas, paradoxalmente, os segmentos de melhor condição social foram os que apresentaram maiores prevalências quanto ao consumo de alimentos doces e substituição de refeições por sanduíches, salgados ou pizzas.

A prevalência de anemia entre adultos e idosos foi de 9,9%. Não é um número que pareça alarmante, se comparado à prevalência mundial: estima-se que 27% das populações tenham anemia. Ocorre, porém, que o estudo não usou amostras de crianças, segmento que manifesta grande risco de apresentar o problema. Os resultados dos exames, por outro lado, chamam atenção para o quanto a prevalência da anemia, em nosso país, está relacionada às iniquidades: os maiores índices e os casos mais graves ocorrem entre mulheres, idosos, pessoas de baixa escolaridade e negros. “Em relação à população idosa, as maiores prevalências de anemia nas camadas de menor nível socioeconômico são dignas de nota, indicando a necessidade de intensificar ações para prevenir e tratar a anemia entre os idosos desfavorecidos socialmente”, ressalta Szwarcwald.

Parcerias para a coleta

A coleta de material biológico (sangue e urina) nos domicílios em uma subamostra de participantes da PNS contou com a parceria do Hospital Sírio Libanês, e foi realizada em todo o país por meio do financiamento do Programa de Desenvolvimento para o Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS), em 2014 e 2015. Os exames laboratoriais realizados com as amostras de sangue foram: hemoglobina glicada; colesterol total e frações; sorologia para dengue; hemograma série vermelha (eritograma) e série branca (leucograma); cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC) para diagnóstico de hemoglobinopatias; creatinina. E, com as amostras casuais de urina, estimativas de excreção de potássio, sódio e creatinina.

A PNS foi aprovada pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) do Conselho Nacional de Saúde (CNS), vinculado ao Ministério da Saúde. A participação do adulto na pesquisa foi voluntária e a confidencialidade das informações foi garantida. Os participantes da pesquisa assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) e autorizaram a coleta de exames laboratoriais.

 

Texto: Juliana Krapp (Icict/Fiocruz)

Foto: Pixabay

Fonte: Agência Fiocruz de Notícias

Compartilhe: