Pesquisa da Faculdade de Letras da UFG observou a interação comunicativa na roda de capoeira

Dança, jogo e luta. Há quem diga que capoeira é tudo isso ao mesmo tempo. Independente da definição uma coisa é certa: capoeira é corpo em movimento. Segundo a pesquisadora da Pós-graduação em Linguística da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás, Zilda Pinheiro, no Brasil existem duas capoeiras a Capoeira Angola, mais antiga, desenvolvida desde que os negros chegaram no Brasil e sistematizada na Bahia no século XX pelo mestre Pastinha. Dentro da Capoeira de Angola nasceu a Capoeira Regional com o mestre Bimba, que queria realçar a luta na Capoeira Regional: “Na prática, a Capoeira Angola é mais dançada e com movimentos mais lentos e próximos do chão, um jogo mais encaixado. Já na Capoeira Regional é valorizado o aspecto marcial, tanto que tem as cordas, os mortais, os golpes mais ofensivos, mas ambas tem como base a ginga”.

capoeira

Zilda pesquisou sobre a capoeira no Doutorado da Faculdade de Letras da UFG. Ela observou a interação comunicativa na roda de Capoeira: “Eu fiz uma pesquisa bibliográfica no sentido de valorizar a produção dos mestres e capoeiristas. A capoeira nasceu assim como o samba e as religiões Umbanda e do Candomblé, na tradição oral, que se mantém, mas foi complementada com a produção escrita. Os capoeiristas estão nas universidades realizando pesquisa. Os mestres escrevem livros. Achei interessante mobilizar essas obras, pois há uma descrição fidedigna e detalhada da roda de capoeira, dos campos, dos movimentos, das metodologias de ensino”.

A pesquisa foi baseada em duas teorias principais. Uma delas é a Ecolinguística. Ela estuda a linguagem humana, verbal, numa perspectiva ecológica, ou seja, ela une a ecologia que estuda as interações dos seres vivos no meio ambiente com a linguística, que estuda a língua. A ecolinguística estuda a relação da língua com o meio ambiente e como nossa comunicação está relacionada ao espaço.

Veja também  Pesquisadores usam inteligência artificial em estudo de Mecânica Quântica

Zilda Pinheiro

Na roda de capoeira, segundo ela, percebemos que há uma interação do corpo com o espaço em vários níveis. No primeiro nível linguístico verbal é pelos cantos: a capoeira tem música. O segundo nível é o extra linguístico: a entonação, ritmo, dialeto. O aspecto pró-cênico, que estuda a distância dos corpos na comunicação. Por exemplo, como a roda se estrutura, o jogo dos capoeiristas no centro, a formação da bateria: tudo interfere na interação. E cinésico, que tem a ver com a linguagem corporal, todos os movimentos comunicam. A ecolinguística permite olhar esses aspectos de maneira integradora. “Cheguei a conclusão que nosso corpo é um elo entre nossa língua e nossa cultura. Para chegar a essa conclusão, precisei analisar o corpo de uma perspectiva ecológica, entendendo que somos também um ecossistema, nos relacionamos internamente e externamente e esse ecossistema se relaciona com as nossas interações linguísticas, culturais. Pelo nosso corpo percebemos nossa cultura. E pela nossa língua a gente percebe o que entende por corpo e por cultura também.

Outra teoria utilizada foi a antropologia do imaginário. A capoeira tem muitas metáforas e ela analisou como isso se processa na mente humana e o quanto o ser humano significa isso na linguagem. Isso também mostra mitologias. Na roda de capoeira se vive o mito do eterno retorno: “Ali sempre retornamos à ancestralidade, à integração entre os negros, de comunhão entre dança, música e religiosidade, jogo e luta. O que é muito bonito, inclusive. A capoeira é um patrimônio imaterial, tombado pela Unesco. É uma manifestação que diz muito sobre o Brasil, sobre a cultura negra em nossa formação e um instrumento de combate ao racismo. A capoeira combate o racismo mostrando a arte e a memória.” O corpo em movimento para a resistência.

 

Vídeo: TV UFG

Fotos: Reprodução / Jornal UFG e Cassiohabib / Shutterstock.com

Fonte: Jornal UFG

Compartilhe: