Pesquisa da UFG pode dar origem a novo medicamento para tuberculose

Desde a década de 1960 o tratamento para tuberculose é o mesmo e envolve um protocolo de seis meses, com uso de quatro drogas com grande potencial de toxicidade, o que acaba fazendo com que vários pacientes abandonem o tratamento. Esse abandono é um risco não só para o paciente, mas também para a eficácia da droga, pois as bactérias criam resistência aos medicamentos. Ciente disso, um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de Goiás em parceria com a Universidade de Brasília estão estudando novas alternativas ao tratamento e encontraram no veneno do escorpião e das vespas uma alternativa que promete maior eficácia. A molécula não age como os antibióticos atuais que entram na bactéria para matá-la, mas age na barreira externa da bactéria, o que evitaria problemas de resistência ao medicamento.

Segundo a professora do Instituto de Patologia e Medicina Tropical, Ana Paula Junqueira Kipnis, a pesquisa começou a partir de um edital do CNPq, para montar uma rede de biotecnologia e biodiversidade no Centro-Oeste. A princípio, investigou-se o potencial de plantas do Cerrado, mas em seguida, com base nos conhecimentos já existentes passou-se a investigar o potencial do veneno dos artrópodes. Sabia-se que no veneno deles existem peptídeos (pedaços de proteína) com ação antimicrobiana. Esses peptídeos servem para proteger esses animais, porque se ligam na superfície das bactérias e não deixam passar nutrientes em suas paredes, o que provoca a morte das bactérias.

Veja também  Matemática: Programas temáticos podem receber até R$ 200 mil
Ana Paula Kipnis
Pesquisa é coordenada pela professora Ana Paula Kipnis (IPTSP) e pode dar origem à tratamentos para outras doenças além da tuberculose (Foto: Ana Fortunato)

A partir daí a Universidade de Brasília com autorização do CNPq para acesso ao patrimônio genético da natureza, prospectou essa substância em colmeia de vespas e em escorpiões. Com base nessas substâncias foi feita uma modificação da proteína, que foi aplicada em testes para tratamento de diversas doenças. Nos testes, os resultados foram promissores, pois os peptídeos antimicrobianos foram mais eficazes que os antibióticos convencionais para tratar tuberculose e micobacterioses. A grande vantagem é que essa substância não é tóxica e não há mecanismo de resistência, pois a substância não age no microrganismo, mas apenas se liga à parede atrapalhando a troca de nutrientes.
Outro estudo também mostrou que a substância pode ser utilizada para combater uma bactéria muito comum em infecções de UTIs, a Acinetobacter e a superbactéria resistente a antibióticos (Estafilococos resistente a meticilina) e pode ser promissor em outras doenças como hanseníase. A pesquisa está agora em fase de reconhecimento de patente. Para chegar ao mercado, empresas precisam se interessar pela patente e ainda é preciso fazer testes em humanos.

Equipe pesquisa tuberculose
Equipe de pesquisadores responsáveis pelo trabalho: André Kipnis, Ana Paula Junqueira Kipnis (professores), Rogério Coutinho das Neves, Camila Oliveira, Carine Castro e Neila Teixeira

Secom UFG

 

Texto: Kharen Stecca

Foto: Semevent por Pixabay

Fonte: Jornal UFG

Compartilhe: