Pesquisa investiga dor lombar e sua relação com a incapacidade funcional

Uma pesquisa de mestrado desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia (PPGFT) da UFSCar está recrutando voluntários para investigar a dor lombar crônica. O projeto é de Thaíse Penha, sob orientação de Mariana Arias Avila e Luíz Fernando Approbato Selistre, docentes do Departamento de Fisioterapia (DFisio) da Universidade.

A lombar é região mais baixa da coluna, próxima à bacia, e a dor nessa parte das costas é um sintoma comum vivenciado por pessoas de todas as idades, sendo considerada a principal causa de anos vividos com incapacidades, dentre as doenças musculoesqueléticas manifestadas em todo o mundo. De acordo com estudos, a dor lombar pode atingir 84% das pessoas em algum momento da vida.

O objetivo da pesquisa é investigar a relação entre a intensidade da dor, desempenho e incapacidade funcional nos pacientes que sofrem com o problema. “Sabendo que medidas de dor e incapacidade são subjetivas, uma avaliação da capacidade funcional por testes de desempenho padronizados e confiáveis, bem como uma forma menos subjetiva de avaliação da dor, podem melhor elucidar os aspectos-chave do desempenho físico relacionados a dor”, defende a pesquisadora.

Para realizar o estudo estão sendo convidados voluntários, homens e mulheres, entre 18 e 65 anos de idade, que tenham dor lombar há mais de três meses e que não tenham feito cirurgia na coluna. Os participantes passarão por avaliação clínica e teste funcionais, com duração de até 45 minutos, realizados em um único dia, e também receberão orientações fisioterapêuticas. Os interessados devem entrar em contato com a pesquisadora até o final do mês de maio, para agendar as avaliações, pelos telefones (16) 3351-8985 e (16) 99991-3140 ou pelo e-mail dorlombarufscar@gmail.com. Projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFSCar (CAAE: 27212919.0.0000.5504).

Veja também  Nanopartículas são modificadas para combater câncer, vírus e bactérias de modo seletivo

 

Texto: Gisele Bicaletto

Foto: Freepik

Fonte: UFSCar

Compartilhe: