Pesquisa mapeia prevalência de anemia, diabetes e outras doenças no Brasil

Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) reúne resultados inéditos sobre prevalências de anemia, hemoglobinopatias, diabetes mellitus, doença renal, colesterol e indicadores de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) em mulheres com idade reprodutiva, beneficiárias e não beneficiárias do Programa Bolsa Família.

O levantamento foi feito com base na análise de sangue e de urina de cerca de nove mil adultos das cinco regiões do Brasil, nos anos de 2014 e 2015. O resultado foi divulgado  nesta semana em mesa-redonda realizada na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro. A análise da pesquisa foi coordenada pelas professoras Deborah Carvalho Malta, da Escola de Enfermagem da UFMG, e Célia Landman Szwarcwald, da própria Fiocruz.

Fruto de parceria entre o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Fiocruz, o Ministério da Saúde, a UFMG e o Hospital Sírio-Libanês, o estudo concluiu que a prevalência de anemia entre adultos e idosos no Brasil foi de 9,86%, sendo maior entre mulheres (12,2%), idosos (24,3%), pessoas de baixa escolaridade (11,9%) e negros (17,1%).

De acordo com a professora Deborah Malta, os índices de anemia em mulheres em idade fértil caíram para um terço em uma década. Em 2006, a Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde identificou que 29,4% das mulheres em idade fértil tinham anemia, percentual que reduziu para 12,2%. “Isso pode ser o resultado de importantes políticas públicas na última década, como a implantação, em 2004, do programa de fortificação, com ferro e ácido fólico, de farinhas de trigo e milho e a adoção, no ano seguinte, do Programa Nacional de Suplementação de Ferro (para crianças de 6 a 24 meses, gestantes e mulheres no pós-parto e suplementação de gestantes com ácido fólico), além da expansão da atenção primária à saúde e da promoção da alimentação adequada”, conjecturou.

O estudo identificou incidência de hemoglobinopatias em 3,7% da população brasileira. As principais enfermidades são o traço falciforme (2,49%), a talassemia menor (0,3%) e a suspeita de talassemia maior (0,8%). A prevalência dessas doenças é mais elevada na população negra.

O diabetes foi identificado em 6,6% dos adultos pelo critério laboratorial, mas, considerando-se critérios simultâneos (laboratorial e uso de medicamento), a prevalência chega a 8,4%. Deborah Malta ressalta que o diabetes foi mais frequente em mulheres e idosos e 1,7 vezes mais elevado em população com sobrepeso e 3,3 vezes mais elevado em obesos.

Veja também  Pesquisa vai caracterizar formas de manejo para reduzir custos de produção no trigo
Deborah Malta durante apresentação dos resultados da pesquisa na Fiocruz
Deborah Malta durante apresentação dos resultados da pesquisa na Fiocruz
Foto: Arquivo pessoal

 

Doença renal
A avaliação da função renal da população adulta brasileira foi realizada por meio da dosagem de creatinina sérica e estimou a Taxa de Filtração Glomerular (TFG), segundo variáveis sociodemográficas. A prevalência da TFG foi de 6,7%, mais elevada em mulheres (8,2%) do que em homens (5,0%). Em idosos a partir de 60 anos, ela foi de 21,4%. “Estimativas do laboratório da PNS foram até quatro vezes maiores na comparação com os resultados das pesquisas autorreferidas (1,7%). Portanto, esse resultado sugere o subdiagnóstico da doença renal crônica no país. Isso serve de alerta, pois pacientes com hipertensão e diabetes devem ser monitorados, por exemplo, pelas equipes de saúde da família, e exames de creatinina devem ser feitos regularmente para favorecer o diagnóstico precoce de alteração da função renal.

Foram analisados os níveis de colesterol total e frações alterados na população adulta brasileira. A prevalência de colesterol total foi de 32,7%, mais elevado em mulheres (35,1%). A prevalência de lipoproteínas de alta densidade (HDL) foi de 31,8%, e a de baixa densidade, de 18,6%. A população com idade de 45 anos ou mais e com baixa escolaridade apresentou maiores prevalências de LDL com alterações. Segundo a professora Deborah Malta, em geral, os resultados laboratoriais registraram mais alterações em populações idosas e de baixa escolaridade.

Bolsa Família
A professora da Escola de Enfermagem informa, ainda, que foi avaliada a prevalência dos indicadores de DCNT (doenças crônicas não transmissíveis), incluindo exames laboratoriais, em mulheres brasileiras em idade reprodutiva que recebem o Bolsa Família. A pesquisa constatou que mulheres beneficiárias do programa têm maior ocorrência de sobrepeso (33,5%), obesidade (26,9%), uso de tabaco (11,2%), hipertensão arterial (13,4%) e percepção mais negativa da própria saúde (6,2%). Em contrapartida, elas consomem mais feijão (75%) e menos bebida alcoólica (13,4%).

Texto: Rosânia Felipe / Escola de Enfermagem

Foto: Foca Lisboa / UFMG

Fonte: UFMG

Compartilhe: